terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Equipe da Escola do Rosário desenvolve ações do Projeto de Intervenção Pedagógica 2017 já em janeiro

Professores, funcionários e direção começam a desenvolver ações  do Projeto de Intervenção Pedagógica do ano letivo de 2017 já em janeiro, período de férias. 

Neste ano, teremos 3 temas centrais: Cooperação, voluntariado e economia solidária, como foco principal para desenvolver com toda a comunidade escolar. Envolveremos pais/responsáveis, professores, alunos, funcionários, direção e etc...


MUTIRÃO DE PINTURA DA ESCOLA



CONFECÇÃO DE PUFFS COM PNEUS DOADOS



REFORMAR O PISO DO PÁTIO COM MATERIAL DOADO POR PROFESSORES, FUNCIONÁRIOS E COMUNIDADE EM GERAL





 Colabore com uma escola melhor...




quinta-feira, 17 de novembro de 2016

A Escola do Rosário, MAIS UMA VEZ, atingiu a maior média das Escolas Estaduais de Campina Grande/PB - IDEB 2015 -



A EEEF Nossa Senhora do Rosário alcança a nota de 4,5 no IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), ou seja, mais uma vez cumprimos a meta projetada pelo Governo que era de 4,1. Além disse, fomos a escola como o MAIOR ÍNDICE das Escolas Estaduais de Campina Grande/PB.


Matéria do Jornal Correio da Paraíba, vinculada no dia 10 de setembro de 2016



Mais uma vez estão de parabéns os professores/direção pela incansável dedicação em querer fazer do dia-a-dia sempre algo diferente que motive os alunos, também os funcionários que abraçam esta causa e os nossos alunos pelo respeito ao nosso método de ensino/aprendizagem e dedicação mútua.
Professores e Funcionários da nossa Escola

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Laisa Grisi participa de projeto de Português na Escola do Rosário em 2016

Professor
Emerson Dickson (Professor de Língua Portuguesa)
Colaboradores
Alunos do PIBID Curso de Letras da UFCG
Alunos do Curso de Letras da UEPB
Ano letivo: 2016

        A proposta a ser desenvolvida pela disciplina de Língua Portuguesa com as turmas de 8º ano “E” e “F” do turno Vespertino partiu da adoção do tema Direitos Humanos relacionado com a produção textual de gêneros textuais ligados às mídias jornalísticas escritas.
A princípio, estudou-se o gênero textual crônica e suas características. Procurou-se sempre ressaltar o caráter cotidiano dominante nas temáticas abordadas pelo gênero e o fato de isso estar relacionado com o meio de veiculação adotado pelo mesmo: o jornal.
            Desenvolvemos parte do projeto em parceria com bolsistas do programa PIBID da UFCG e juntos buscamos expor os alunos ao contato com diversos textos do gênero crônica. Com isso pretendíamos fazer com que os estudantes verificassem as características intrínsecas à crônica apesar das diferentes maneiras como ela se mostra dependendo da autoria e de sua proposta.
            Em seguida os alunos foram desafiados a escrever suas próprias crônicas. A ideia era que eles se baseassem em um fato de sua própria vida (seu cotidiano) para desenvolver um texto de caráter narrativo/reflexivo. Os estudantes produziram uma primeira versão que foi corrigida e, a partir de apontamentos feitos nessa correção, eles reescreveram seus textos numa segunda e final versão.
            A segunda etapa do projeto contou com uma parceria entre professor e estagiárias do curso de Letras da Universidade Estadual da Paraíba. As universitárias adotaram a proposta da escola e a partir da mesma desenvolveram sua atuação para o cumprimento do estágio obrigatório de seu curso superior. Para essa fase adotamos o gênero notícia jornalística mantendo assim o vínculo com o tipo de texto trabalhado anteriormente.

            Os alunos ao longo das aulas viram exemplos de notícias jornalísticas e as características que norteiam tal texto, bem como suas partes fundamentais e como elas se articulam. Foi trabalhado o tipo de verbo usado nas manchetes de jornal e o peso que tal classe gramatical possui nesta parte do texto. Os alunos também viram que o texto jornalístico é predominantemente denotativo em sua linguagem, diferente da crônica, vista anteriormente, que, por ter caráter literário, possui uma linguagem predominantemente conotativa.

Aulas com estagiárias da UEPB sobre texto jornalístico: notícia e entrevista. 

Como desafio produtivo, buscamos a produção de um jornal feito pelos próprios alunos. Na turma de 8º "E" os alunos redigiram notícias vinculadas a realidade da própria escola (ocorrências de desvio disciplinar, eventos da escola, etc). Já ao 8º "E" permitiu-se a produção de notícias vinculadas a realidade dos lugares onde moram (ocorrências policiais, utilidade pública, esportes...).
Em ambas as turmas houve a produção de uma entrevista com uma palestrante convidada pela escola. A jornalista Laisa Grisi expôs aos alunos um pouco de sua realidade profissional. Com tal palestra, buscou-se tanto exibir um pouco do trabalho da profissional como aproximar os alunos do indivíduo Laisa Grisi, mostrando-a como entre humano e próximo deles por ser parte da cidade onde habitam. Em aula anterior, os alunos redigiram as perguntas a serem feitas à entrevistada, esta as respondeu ao longo de sua exposição.
Palestra com a jornalista Laisa Grisi da Tv Paraíba
Foram impressos exemplares dos jornais das duas turmas, entregando-se uma cópia para cada aluno e outras tantas foram distribuídas entre visitantes durante a amostra pedagógica realizada como culminância dos projetos desenvolvidos ao longo do ano na escola. Nesta amostra a turma do 8º ano “E” criou uma série de cartazes com manchetes e fotos de jornais e revistas que evidenciassem os direitos humanos, linkando assim o gênero de texto trabalhado e o tema geral escolhido para direcionar os projetos da escola. 


Vejam algumas partes do Jornal produzido pelos alunos









sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Alunos do Rosário produzem Sabão Ecológico


EEEF Nossa Senhora do Rosário
Caminhando junto com a sociedade
Professor: Robson Benício (Artes)
Período: Ano letivo de 2016

Muitos bares, restaurantes, hotéis e residências ainda jogam o óleo utilizado na cozinha direto na rede de esgoto, desconhecendo os prejuízos dessa ação. Independente do destino, esse produto prejudica o solo, a água, o ar e a vida de muitos animais, inclusive o homem.
Quando retido no encanamento, o óleo causa entupimento das tubulações e faz com que seja necessária a aplicação de diversos produtos químicos para a sua remoção. Se não existir um sistema de tratamento de esgoto, o óleo acaba se espalhando na superfície dos rios e das represas, contaminando a água e matando muitas espécies que vivem nesses habitats.
Dados apontam que com um litro de óleo é possível contaminar um milhão de litros de água. Se acabar no solo, o líquido pode impermeabilizá-lo, o que contribui com enchentes e alagamentos. Além disso, quando entra em processo de decomposição, o óleo libera o gás metano que, além do mau cheiro, agrava o efeito estufa.

Despejo correto de óleo
Para evitar que o óleo de cozinha usado seja lançado na rede de esgoto, cidades, instituições e pessoas de todo o mundo têm criado métodos para reciclar o produto. As possibilidades são muitas: produção de resina para tintas, sabão, detergente, glicerina, ração para animais e até biodiesel.

• Produção de Sabão Ecológico pelos alunos
Sabão – Para fazer barras de sabão a partir do óleo de cozinha, basta seguir a receita abaixo:

Materiais
5 litros de óleo de cozinha usado
2 litros de água
1/5 Copo de Sabão em pó
1/5 quilo de soda cáustica em escama

Preparo
Coloque cuidadosamente a soda em escamas no fundo de um balde.
Depois, coloque a água fervendo.
Mexa até diluir todas as escamas da soda.
Adicione o óleo e mexa.
Adicione o amaciante e mexa novamente.
Jogue a mistura numa fôrma e espere secar.
Corte o sabão em barras.
Atenção: A soda cáustica pode causar queimaduras na pele. O ideal é usar luvas e utensílios de madeira ou plástico para preparar a mistura.


Após a produção do Sabão Ecológico, os alunos tiveram uma palestra com Representantes da Empresa ALCA RECICLA, estes vieram enfatizar a importância do despejo correto do óleo de cozinha e mostrar aos alunos a importância social de trabalhar a conscientização de uma sociedade que preserva o meio ambiente e faz ações concretas de reciclagem.
Foi instalado na escola um EcoPonto (Recipiente para coleta de óleo usado que os alunos trazem de suas casas)


O próximo passo foi a visita ao Galpão da Alca Recicla, lá os alunos viram na prática o manejo do óleo de cozinha e suas finalidades no processo de reciclagem. Ainda foi possível visitar o espaço que a empresa trabalha com reaproveitamento da raspa do couro para produção de Tecidos.

A culminância do projeto se dará através da exposição do Sabão Ecológico produzido pelos alunos, assim como as fotos de todas as etapas e a troca do óleo arrecadado pelos alunos em produtos de limpeza para serem usados na Escola.